domingo, 16 de maio de 2010

Vírgula

É o sinal de pontuação mais usado, portanto o que gera maior número de erros. A vírgula não deve separar elementos que têm relação sintática direta, como sujeito e verbo, verbo e complementos, nomes e complementos. Por mais longo que seja o sujeito, não haverá vírgula que o separe do predicado: O novo diretor de recursos humanos da recentemente privatizada empresa de correios afirmou que será necessário contratar mais de mil carteiros. Veja os casos mais importantes de emprego da vírgula:

1) Nas enumerações de termos ou orações: Subiram ao palco para receber os aplausos o diretor, o cenógrafo, o contrarregra, o iluminador e o sonoplasta. Ela pinta, dança, borda e canta como ninguém.

2) Para isolar qualquer elemento explicativo (isso é, a saber, aliás, ou seja), aposto, vocativo: Fulano, governador do Estado, pretende ser presidente da República. Fulano, não se esqueça de comprar as cervejas. O presidente com sua mulher, fulana, durante o desembarque na Base Aérea de Brasília. Note que, sem as vírgulas, fulana deixa de ser aposto explicativo e passa a ser restritivo, o que muda radicalmente o sentido: de única mulher passa a ser uma das mulheres.
Com aposto restritivos, não há vírgula: O ex-presidente do Banco Central João da Silva dá entrevista no Rio de Janeiro.

3) Para isolar adjuntos adverbiais, em especial quando deslocados e muito longos: No momento da volta ao palco para receber os aplausos, a atriz já estava sem maquiagem. Durante os dois seminários, o presidente criticou duramente os industriais. O presidente, durante os dois seminários, criticou duramente os empresários.
Com advérbios curtos, a pontuação torna-se optativa: Ontem o presidente criticou.../ Ontem, o presidente criticou.../ O presidente ontem criticou.../ O presidente, ontem, criticou... Em casos como esse, é fundamental lembrar que a vírgula deve isolar p adjunto, ou seja, devem ser colocadas duas vírgulas (ou nenhuma) quando o termo estiver intercalado.

4) Para separar orações adverbiais antepostas: Se não derrotar o Palmeiras, o Corinthians estará eliminado. Embora fizesse calor, todos levaram agasalhos.
Se a oração adverbial vier depois da principal, a vírgula será optativa: O Corinthians estará eliminado (,) se não derrotar o Palmeiras. Torna-se obrigatória, porém, se a oração adverbial for muito longa: O governador está isolado, embora todos os líderes dos partidos que lhe dão sustentação neguem esse isolamento.

5) Antes de conjunções adversativas como mas, porém, entretanto, etc.: O funcionário concordou em dar entrevista, mas não quis se identificar. Mesmo em títulos, essa vírgula é obrigatória: Gasolina sobre, mas fulano não admite reajuste de preços.

6) Para separar orações adjetivas explicativas: A escola tem 137 alunos, que trabalham durante o dia. Note que, sem a vírgula, há total alteração de sentido: A escola tem 137 alunos que trabalham durante o dia. No primeiro caso, com a vírgula, a escola tem exatamente 137 alunos, e todos trabalham durante o dia. Sem a vírgula, a escola passa a ter mais de 137 alunos, dos quais 137 trabalham durante o dia.

7) Para indicar elipse de verbo: O reitor da USP votou contra a proposta; o da Unicamp, a favor.

8) Para separar conjunções contíguas: Os industriais afirmam que, se o mercado reagir, a produção poderá ser aumentada rapidamente. A produção foi diminuída, mas se o mercado reagir, poderá voltar rapidamente ao nível anterior.

9) Não use vírgula antes de e que introduza oração com o mesmo sujeito: Os deputados foram a Brasília e lá se encontraram com o presidente do partido. Em textos assinados, se o autor tiver optado pela vírgula (que nesses casos é chamada de vírgula de ênfase), deixe-a: O presidente é refém do seu partido, e não poderá jamais se livrar disso.
Se a oração iniciada por e tiver sujeito diferente do da anterior, a vírgula será obrigatória se for necessário desfazer possíveis ambigüidades: Fulano convida sicrano, e beltrano anuncia moratória. Sem a vírgula, num primeiro momento, seria possível entender sicrano e beltrano como complemento do verbo convidar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário